MAIQ.EXTRA-CASO VULCABRÁS-AZALEIA

Demissões e fechamento da Vulcabrás/Azaleia em Maiquinique.

Do sonho ao pesadelo.

mais de uma década atrás, era um sonho para milhares de trabalhadores dos municípios de: Maiquinique e Itarantim a instalação da Azaléia em suas regiões, mais de uma década havia se passado, o sonho que era realidade (hoje dia 16/12/2011), virou pesadelo. A chegada de uma empresa como essa faz uma revolução total aonde chega, da mesma forma quando sai, deixa uma enorme desolação. Numa região tão pobre e esquecida como é o Sudoeste da Bahia, principalmente nesses limites da região onde se pratica a monocultura, com mão de obra barata imagina como fica? O trabalhador viu a possibilidade de melhora financeira, aquisição de bens duráveis de consumo, realização de compra da casa própria reforma ou ampliação da mesma, alguns se endividaram comprando móveis, carros, motos e imóveis confiando no emprego. Muitos trabalhadores migraram de uma localidade pra outra só para, ficar mais próximos das fábricas, agora tem que refazer novamente o caminho de volta. Ao mesmo tempo em que o trabalhador sentiu-se, valorizado em detrimento dos coronéis das fazendas, que sugam o seu suor ao extremo só faltando tirar-lhe, o couro, ver seu mundo se esvair. Sentiu-se, como milhões de trabalhadores da nação, com o direito de ter uma carteira assinada com vários benefícios e que no fim de sua jornada de trabalho poderia lhe dar uma aposentadoria mais digna; de repente, contrasta-se, com uma realidade contrária a tudo o que planejou e ver seus sonhos serem desfeitos. Este é um episódio triste na história de Maiquinique e Itarantim.
A (Vulcabrás Azaléia), afirmou em nota para a Imprensa que o fechamento das fábricas, é por causa do alto custo com logística, o baixo volume de produção e a concorrência com os calçados importados, justificando assim a demissão de cerca de 1800, trabalhadores em seis filiais. (Só em Maiquinique havia mais de 300 funcionários na fábrica local, segundo: O Jornal A Tarde, em Itarantim aproximadamente 380 funcionários). Ao que se parece, esta é uma situação difícil de ser revertida, uma vez que a empresa não citou como fator de desestímulo, nada ligado ao governo: tributação ou algo mais e sim fatores concernentes à empresa, ao mercado e a localidade.

Reportagem: 16/12/2011.
Veja estas reportagens do BATV.
video
Fotos de trabalhadores na linha de produção
 
Fotos da fábrica fechada 
 
Fotos de trabalhadores em protesto contra as demissões e o fechamento da fábrica
 
Complexo da matriz do Sudoeste em Itapetinga-BA 
Foto extraída do G1 Bahia

POUSO ALEGRE NA FOTO AÉREA DO SATÉLITE,COMO VOCÊ NUNCA VIU ANTES.


Visualizar POUSO ALEGRE BAHIA em um mapa maior

CBN

CLIQUE AQUI

CLIQUE AQUI NESTES ANÚNCIOS EM BAIXO.

MANDE TORPEDOS e MENSAGENS GRÁTIS PARA ONDE VOCÊ QUISER!!!!

CALCULE AQUI A VELOCIDADE DE SUA INTERNET!!